Sofrimento,drama e morte são supérfluos

http://www.mongoliatravelguide.mn/?sakson=opzioni-binarie-app&f36=bb Hoje começa a ser exibida a série do Documentário sobre o “making of” da minha vida. O “aspecto pessoal” mais prosaico, eu deixo, em boa parte, para os eventuais biógrafos terem  o que acrescentar e ganharem o seu pão … se é que sou personagem para tanto. Com uma vida muito “normal”, e muito parcimoniosa em escândalos e dramas pessoais, penso que sou pouco fértil pra se ganhar dinheiro com isso. Com perdão para a minha ousadia e por me mostrar presunçoso, sem querer me comparar, J.S.Bach era assim, parecido comigo. Ninguém conta fofocas sobre Bach. Então esse é meu Mestre, esse cara é que é F…%&*#$% !!

opzioni digitali pratica Minha vida é a música, desde pequeno eu me dedico a essa arte etérea, difusa, imaterial, e que embora matemática, consegue transcender ao divino de forma tão especial.  Os sons, em sua frequência aural, carregam um componente emocional que pode excitar regiões incógnitas da percepção da mente. É um mistério. Ou um segredo.

go Em direção contrária, vamos à parte que não é segredo algum… Pra mim seria muito mais prático fazer (mais um ) DVD de grandes sucessos, ao vivo, com participações especiais, cordas, uma banda fazendo aquele “sonzão” em 5.1 surround, com microfones na plateia, câmeras voadoras em gruas, iluminação feérica com canhões, varilights e intelabeams em fachos lampejantes, telões, cenário luxuoso com grife de artista plástico famoso, celebridades na plateia fazendo consagradora “claque”, o público cantando em côro os refrões dos mais de 30 “grandes sucessos”. Mas com isso tudo seria um DVD igualzinho a todos, já que, pra mim, todos os DVDs comemorativos são absolutamente iguais, ressalva feita ao conteúdo musical e poético, que é o único diferencial.

http://www.youngasianescorts.co.uk/?baletos=%D8%AD%D8%B3%D8%A7%D8%A8-%D8%A7%D8%AE%D8%AA%D8%A8%D8%A7%D8%B1-%D8%AE%D9%8A%D8%A7%D8%B1-%D8%AB%D9%86%D8%A7%D8%A6%D9%8A&4d9=45 حساب اختبار خيار ثنائي Um DVD comemorativo é, a grosso modo, 80% sensorial, 50% visual, 20% sonoro, e apenas 20% de “conteúdo”. Quando a gente vai comer uma pizza, ao barzinho beber um chope, tem sempre um DVD passando esses “momentos especiais” das Grandes Carreiras dos Grandes Ídolos ( ou dos wannabes….).

opcje binarne giełda Eu não queria isso pros meus 40 anos: orégano ou manjericão ? Claro ou escuro ?  Quem é que presta atenção naquilo ? É bom pra ganhar dinheiro ? Será que o DVD “já era” ?  ( Confesso que pra mim nunca foi : exceto filmes, eu, Guilherme, nunca ví um DVD de show…)

http://www.hamburg-zeigt-kunst.de/?biudet=www-bd-swiss&4bd=4b Minto : ví sim, mas do Woodstock !

online dating i love cats Em 2001, fíz um belo DVD, com o Taffo e o seu RadioTaxi,…

follow Então vou fazer outro show gravado ?  Nessa mesma http://www.soundofthesirens.net/?delimeres=binaere-optionen-demo-account&462=d3 linguagem ? Acho que só daqui a um “bom” tempo…e põe “bom” nisso !

corso avanzato opzioni digitali Não vou falar aqui das qualidades intrínsecas de nada, não estou querendo exaltar ou diminuir ninguém. Exceto pela diferença do repertório, da orquestra, do timbre das vozes, um DVD de um sublime tenor italiano, gravado nas ruínas de Pompéia com a Filarmônica de Viena, e um DVD de …XXXXX ( coloquem aqui o que quiserem…eu não dou mais a cara pra bater …eh…eh… nunca mais ! ) … ali, na pizzaria, entre muçarelas e calabresas, são ( na prática ) absolutamente iguais, click here devido à linguagem visual, direção de câmeras e edição. A fórmula está gasta, então os shows se transformaram no “Holiday on Ice” do entretenimento mundial…

Mas quem gosta, gosta. Pronto.

Usando um termo magistralmente resgatado à “modernidade”, pela genial Tulipa, a fama é efêmera. O significado, não. O sucesso pode ser meramente circunstancial aos investimentos de marketing. O sucesso também pode trapacear com a vitória do medíocre, quando fabricado, sem nenhum significado além da grana e da fama. Desde o início da minha paixão pela Música Popular, na tenra infância, eu já criticava a fabricação do sucesso.

O mercado da música e do Show Business cria suas fórmulas para se aprisionar nelas, tornando as estratégias de vendas mais certeiras e infalíveis. A previsibilidade é fundamental para a projeção de lucros. Só que não é assim que a vida funciona. As pessoas querem mais.

Quem é que, de sã consciencia,  ainda se impressiona com a quantidade de público, o alarido das multidões, a adesão instantânea nos “ritos”  ?  Vox Populi , Vox Dei ?  Resta saber o que se entende por “sã consciência”, porque ainda tem muita gente que adora. É insana ?

Até a Divindade, como concebida pelos humanos, pode trazer esse componente : quanto mais gente, mais significado tem. Será ?   Pois eu questiono isso.

O “Ritual” coletivo é antigo na Humanidade. As celebrações de “Poder” sempre se manifestam em um mar-de-gente-fazendo-a-mesma-coisa.  Isso não é novidade. O ser humano, pra acreditar em algo, precisa ver adesão à sua volta. Os insetos também. As manadas. Os cardumes. Os enxames. As técnicas pra se fazer isso foram dominadas, por exemplo, por Goebbels : um brilhante medíocre que ajudou a inventar um desastre sem precedentes para a Humanidade. Claro que o carisma existe, e sem Hitler, Goebbels não “se criaria” pra ser lembrado. O que eu quero dizer é que esse “significado” atrelado às multidões, ao critério de quantidade de fiéis (ou de fãs) também pode se prestar às finalidades mais espúrias… Pra mim, multidão é bacana, não tem problema, não tenho “asco” de multidão, mas também não é nada obrigatório. Tem um montão de coisas fundamentais na vida, nas quais multidões não fazem parte.

Que as pessoas ficassem “pasmas” com a histeria perante Orlando Silva, Elvis, Sinatra, os Beatles ou Roberto Carlos, é compreensível: estava se criando a indústria do disco, estava se engendrando o “show business”, a indústria cultural no Século XX. Tudo era novidade. E tem mais : eu era adolescente na beatlemania e na jovem guarda, então essa conjunção foi uma delícia !

Por isso, não critico os jovens de hoje. Deixa cada um viver seu tempo, e a festa da juventude é fundamental pro mundo. Mas eu queria algo além.

Hoje, com a tecnologia, tudo ficou muito democratizado, as ferramentas operacionais, os meios e os fins. Ficou banal. Ficou tão banal, que o próprio público também é celebridade, uma revolução sem precedentes nos costumes. Qualquer um pode fabricar o seu “sucesso” , qualquer “Zé-Mané” pode ser alçado a ter multidões para consagrá-lo.

Há, por outro lado, muitos artistas misteriosos para mim, que carregam uma aura especial, e que não frequentam os holofotes do mundo. Eles significam muito, suas obras despertam – não só em mim – sentimentos muito particulares.

O termo “particular”, para mim, encerra uma beleza extraordinária.

Particular porque especial. Particular porque não-público. Particular porque ligado ao infinitesimal da partícula, a grandeza do Universo insondável que existe, não só “para fora”, para as grandezas portentosas do infinito visivel , mas também “para dentro da Matéria e do Espírito”.

Então eu queria contar a minha história explorando essa natureza “particular”.

A idéia é boa, porque ninguém está fazendo isso. A idéia é urgente, porque eu estava com vontade há tempos. A idéia é factível, porque a minha memória ainda anda fresca a respeito de tudo na minha história, e por eu dispor do espaço e das ferramentas pra fazer. A execução poderia ser de uma forma inovadora, que é num coletivo de direção, onde a ótica de um diretor convidado não interferisse de forma alienígena numa narrativa tão pessoal.

Num mundo mórbido, via de regra, as reminiscências, a “memorabilia”, o relicário, são souvenirs que vão ser descobertos e desencavados quando a pessoa não está mais presente. Seja pela simples desistência da carreira, pelo auto exílio misterioso de um Rimbaud, de uma Garbo, pela extinção de uma banda, ou pela morte de um Hendrix, de um Freddie Mercury, de um Renato Russo, de um Cazuza, de uma Amy Winehouse, de uma Cassia Eller, o mundo então trata de recolher os vestígios daquela passagem pelo mundo…E todo mundo se interessa.

Eu gostaria que houvesse tido tempo, e meios, pra alguns dos meus ídolos que já se foram, contarem pessoalmente como é que fizeram suas coisas : Tim, Taiguara, Johnny Alf, Simonal, são alguns nomes entre inúmeros outros.

Alguns vivem um tempo maior, como Jorge Luis Borges, Oscar Niemeyer… Alguns têm um tempo exíguo, sendo ceifados precocemente, como o fundamental Richie Valens…

Mas é muito bom estar vivinho-da-silva !

Alive and kicking.

O que importa é que pra mim esse documentário é um prazer muito grande compartilhar !

Cheers !