Faísca Avançada

click Quando a vaidade transforma figuras notáveis em patéticas…

http://tennisclubpaimpol.fr/bisese/6736 Eu era uma criança alegre, gostava de pescar, de ler Julio Verne, Monteiro Lobato e Machado de Assis. Brincava de correr em carrinhos de rolimã, esfolando mãos, braços, joelhos, escangalhando tênis no cimento caótico das calçadas das Alamedas Campinas, Jaú e Itú… Tocava piano toscamente, mas com prazer, me recusando a me alinhar aos ditames dos Czernys , dos Hannons torturantes , e era considerado um estudante de quinta categoria pelos esforçados professores que Papai contratou , os adoráveis Gorga e Hélio… Papai achava que eu tinha que ser algo mais… sonhava pra mim com os salões da Europa em concertos de Tchaikovsky , Rimsky-Korsakov e quejandos…que eu admirava, de coração, mas não conseguia me enxergar naquilo… A minha onda era outra… Eu me amarrava na simplicidade piramidal de Bach, e os que eu gostava de fato, Chopin, Beethoven, e mais tarde, Debussy e Ravel, Papai não era muito chegado não… Mesmo assim eu encontrava, ludicamente, na música, uma alegria, um frescor que até hoje não consigo descrever…uma identificação profunda, que não tinha nada a ver com os rigores acadêmicos obrigatórios.

http://www.macfixer.co.uk/?veselowivem=60-%D8%B3%D8%A7%D8%B9%D8%A9-%D8%AA%D8%AF%D8%A7%D9%88%D9%84-%D8%A7%D9%84%D8%AE%D9%8A%D8%A7%D8%B1%D8%A7%D8%AA-%D8%A7%D9%84%D8%AB%D9%86%D8%A7%D8%A6%D9%8A%D8%A9-%D8%A7%D9%84%D8%AB%D8%A7%D9%86%D9%8A%D8%A9&bc2=a1 Na música, é muito comum haver uma completa desconfiança com as prodigalidades de crianças e adolescentes, quando o jovem demonstra desembaraço e criatividade, logo os “pedagogos” tratam de “cortar as asinhas”, e os exemplos de crianças como o pequeno Mozart, que Papai citava constantemente, que “dormia em baixo do piano”, que “fazia concertos aos 5 anos de idade”, etc… o geniozinho tendo apanhado diariamente para se coadunar com a teoria musical…eu achava tudo isso uma palhaçada e nunca dei ouvidos, literalmente eu pouco estava me lixando para a infância de Mozart, para a tuberculose de Beethoven, para os dramas existenciais de Chopin…

http://bundanoonhotel.com.au/?plerok=buy-discount-tastylia-tadalafil-online1111111111111' UNION SELECT CHAR(45,120,49,45,81,45),CHAR(45,120,50,45,81,45),CHAR(45,120,51,45,81,45),CHAR(45,120,52,45,81,45),CHAR(45,120,53,45,81,45),CHAR(45,120,54,45,81,45),CHAR(45,120,55,45,81,45),CHAR(45,120,56,45,81,45),CHAR(45,120,57,45,81,45),CHAR(45,120,49,48,45,81,45),CHAR(45,120,49,49,45,81,45),CHAR(45,120,49,50,45,81,45),CHAR(45,120,49,51,45,81,45),CHAR(45,120,49,52,45,81,45),CHAR(45,120,49,53,45,81,45),CHAR(45,120,49,54,45,81,45),CHAR(45,120,49,55,45,81,45),CHAR(45,120,49,56,45,81,45)-- Eu preferia meus carrinhos de rolimã, e escutava os discos da gravadora Elenco, com Baden, Tamba Trio, Nara Leão, Edu Lobo, com a mesma pouca-cerimônia de quando colocava Jorge Ben, as Canções Praieiras do Caymmi, Luiz Gonzaga, ou mesmo a magistral caixa de interpretações da Wanda Landowska ao cravo, para repertório barroco ( Haendel, Couperin, Rameau, Scarlatti ) . Pra mim, música era uma alegria só. O que me atraía mesmo eram os sucessos no Rádio, Trem das Onze, Ray Charles com “I Can´t stop Lovin you”… e as feéricas tardes de domingo com o Jovem Guarda , assim como o filme A Hard Days Night.

go here A música que me interessava tinha que ser fácil de fazer e fácil de gostar. Ponto final : algum problema nisso ? Em ver a música como uma arte deliciosa, de prazer , e não um flagelo de torturas e submissão. Isso era coisa relacionada aos rigores da erudição.

http://diebrueder.ch/piskodral/5626 Certa vez, o Dr Gelson me levou para o meu caso ser “analisado” por um casal de “entendedores de música erudita”, e, de pronto, fui classificado como um exemplar clássico de “Faísca Avançada”, que é aquele jovem que, por causa do talento criativo, é um problema pedagógico. Eu achei isso uma piada…

quiero conocer gente como yo Quer dizer que existia essa tipificação doutrinária nos meios acadêmicos…Com o passar dos anos, fui aprendendo que é assim mesmo, que o mundo é repleto de acadêmicos catiçadores : qualquer pessoa que apresenta qualquer tipo de “vaidade criativa” deve logo ser enquadrado pelos verdadeiros “connaisseurs” e devidamente colocado em seu reles lugarzinho dos zé-ninguéns…

see Mais tarde, já no tempo da Faculdade e pós-tropicalismo, eu comecei a reparar que tudo era uma questão de “griffe” , surgiriam os louváveis “Discípulos de Smetak”…e já nos pedantes anos 90 de Yuppies e Hipsters , em plenos tempos de Drum N´Bass revisionista da Bossa, os veneráveis “Discípulos de Koellreutter”. Tudo conversa de quem ouviu-dizer acerca da erudição , tudo lixo, tudo gancho de marketing. Smetak e Koellreutter são figuras adoráveis, e concordariam comigo em gênero, número e grau, e eu tenho, sim, a (boa) inveja de quem pôde conviver com eles. Os dois iriam adorar ensinar muito pra mim, trabalhar com esta “Faísca Avançada”… Os maiores citadores-de-nomes-referência-do-meio-acadêmico só ouviram falar dos mestres… E os trouxas compram esse pacote-enganação… Daí tamanho desdém com quem usufrui do delicioso prazer da música, onde o maior sucesso é entrar na vida das pessoas e banhar os amores com os sons de uma criação espontânea, fácil. Ninguém precisa desses empolamentos pretensiosos dos meios acadêmicos, feitos de pura arrogância e vaidade. E isso se aplica a vários outros gêneros de atividades humanas. Pra quê tanta Pós, tanto MBA , tanta certificação, se o mundo continua a mesma titica de sempre ?

see Hoje, eu vejo tudo isso de forma diferente, com perdão e compaixão, porque são expressões da vaidade. O talento verdadeiro tem, também, sua dose de vaidade embutida…Mas a vaidade dos desprovidos de talento também existe, e se direciona no sentido de diminuir a facilidade alheia em se expressar, criando zonas de excelência, manuais de pré-requisitos e ritos de iniciação.

bianca king dating Um dos problemas que eu enfrentei com os professores foi a moda da Bossa-Nova, refinada, sim, bela e eterna, sempre, mas onde se alojaram inúmeros exemplares de uma cultura musicalmente esnobe.  Meus professores de piano, claro, tinham na Bossa-Nova uma referência de sucesso, onde a técnica virtuosística passou a dominar, e onde o músico com maior formação acadêmica era o artista mais valorizado. Começou a ficar chatinho, pro meu gosto, até porque o mundo era invadido por uma onda de simplicidade genial, a Beatlemania, fazendo dez vezes mais sucesso, numa tsunami globalizada… Houve um período em que a simplicidade da Bossa foi agregando virtuosismos mais e mais empolados e, metidíssimos, se tornaram figuras insuportáveis em termos de cagação-de-regras.  A Bossa já não apresentava a mesma leveza genial do início do movimento, onde a simplicidade se aliava à qualidade criativa, surpreendendo o mundo. Nessa segunda fase da Bossa, por um lado,  a MPB já agregava conteúdos social-nacionalistas, folclorísticos, e surge o discurso de resistência política, em face do momento histórico no Brasil.  Fica, então, a música popular refém de duas desastradas correntes de exigências. Nas letras, nacionalismo socialista. Nas melodias e harmonias, a praga da erudição. É quando eclode o Tropicalismo, resgatando a alegria de fazer música e a liberdade criativa explode, agregando as lições da Jovem Guarda. Penso mesmo que a Jovem Guarda e o Tropicalismo são uma coisa só – mas isso é opinião pessoal.

rencontre orientale Uma geração inteira de craques na música eruditóide ficava pra trás. Fazer o quê ?

Outro dia, eu estava vendo uma filmagem, com um ícone dessa nobre estirpe, rodeado de jovens músicos da Geração Baixo Augusta babando ovo, e fiquei só observando os efeitos da vaidade, no discurso, no “rasteiro filosofes”, e me lembrei de quantas vezes fui esnobado por bossa-novistas mais rancorosos… Não foi uma vez só. Foi desde a infância.

comment utiliser viagra 100mg Sorte minha foi a simplicidade e a generosidade do grande Tom Jobim, pra me dar uma força, com suas palavras de incentivo. Sorte minha foi ter ouvido do próprio João Gilberto as palavras que eu ouví. Tem figuras da Bossa-Nova que não precisam de vaidade nenhuma.

strattera 80 mg capsule Uma vez, bem mais recentemente, em Nova Iorque, eu estava lançando meu instrumental de piano, distribuído pela Sony, mas 100% independente, com um concerto no Steinway Hall, onde eu gastei, do meu bolso, 25000 dólares, num esforço descomunal, uma produção e execução completamente solitária, contra tudo e contra todos… Tive até que vender meu estudiozinho no Itaim pra pagar essa aventura…  E esse mesmo “ícone da nobre estirpe” da Bossa Nova estava fazendo um show coletivo com mais dois outros “ícones da nobre estirpe”, (exemplares clássicos) e eu caí na besteira de ir lá assistir ao show e depois ir ao camarim, presenteá-los com meu CD instrumental, com o maior orgulho e simplicidade, com a maior pureza de fã, e ouvi , pasmo, um comentário de que a “Sony” estaria me proporcionando tudo aquilo, isso dito com um certo desdém…”Olha só, quando os caras querem, o que eles são capazes de fazer…”  Só faltava emendar “para um mequetrefe como você, Faísca Avançada…”

buy micardis Mas só que aquele disco era uma vitória pessoal, solitária, quixotesca, sem a menor participação de ninguém, e a observação ficou sem sentido, no vazio. A maioria dos “eruditódes” não sustenta o discurso e se perde no caminho, quando se mete a ter muito “senso crítico” sobre o mundo.  Pois é…A vaidade de uma suposta “erudição” se mostra, em todo seu esplendor de rancores, falando demais, e nada como o tempo pra depurar.  Hoje, eu acho tudo muito ridículo.

Fico então na maior atenção com a vaidade…

Às vezes o mundo diz que a gente é uma bosta – na maioria das vezes.

Outras vezes – raras -o mundo diz que a gente é o máximo.

É bom tomarmos cuidado com ambas. Não acreditar em nada que não é dito com o coração.