Vintages

ELKA RHAPSODY 610

“Bem, esse analógico anti-diluviano é, literalmente, im-po-ssí-vel de ser encontrado inteiro!!! Só eu mesmo pra ir atrás!!! E olhe que estava com a placa mãe moída, teve que ser ressoldada pelo amigão Gerald, um “black” genial de Raleigh (Carolina do Norte, USA), professor de órgão e músico talentoso… Este, que veio da Alemanha, ainda é 240 Volts… e deu um trabalhão pra estar aqui… É que tem toda uma história em torno dessa “string machine”… Era muito usada por Jean Michel Jarre, por Tangerine Dream, Vangelis, Genesis e, mais especialmente, por Gary Wright, na inesquecível canção “Dream Weaver”. No Brasil, o Azimuth tornou esse timbre imortal em “Linha do Horizonte”, um hit inesquecível dos 70. Outras canções importantes onde ele estava lá são as minhas “Meu Mundo e Nada mais” e “Amanhã”, e a maravilhosa “Nuvem Passageira”, de um contemporâneo meu, gaúcho, o grande Hermes Aquino… Bem, eu queria, porque queria ter novamente um Elka Rhapsody nas mãos, já que as emulações em plugins chegam perto, mas tem “algo” que só sai daquele monte de transistors e capacitores velhos… é uma flutuação em chorus embutida numa faixa específica de frequências… A Elka foi um fabricante italiano que foi comprado pela GEM, e a linha toda foi descontinuada… Quem aprecia essas coisa é o meu amigo Astronauta Pinguim , que encontrei numa gravação com Edgard Scandurra…”
( 21 de Setembro de 2013 )

 

CLAVINET HONNER D6

“Bem, este clavinet teve um só dono, um professor de piano em Baton Rouge, Louisianna, pertinho de New Orleans, (escapou do Katrina, e veio parar em Jacuípe).
Tem até uma plaquinha da loja “Kenny Gill Music”, uma loja que foi desse famoso guitarrista…Esse eu trouxe “no braço”, porque um D6 nessas condições (novinho em folha), é realmente uma raridade…Os Clavinets rodaram muito em shows, daí sua condição precária…
Gosto muito do acento do clavinet, com sua pegada slap, realçando frases de baixo/piano (está evidente em “Deixa Chover”) e modéstia à parte, sou mortal tocando um D6 bem afinado… pra reggae, ska, até samba, e mais especialmente funk/fusion, não há nada como um D6 envenenado com um envelope-follower como o Mutron III…
Nada mais funky (Sly & Family Stone, Stevie Wonder, Kool and The Gang)…
Quem mata a pau num desses é o meu amigo Ed Motta! Estou esperando ele vir na Coaxo pra gente entortar essa tecladeira a 4 mãos”.
( 25 de Setembro de 2013 )

Moto Perpétuo !

MOTO É PERPÉTUO ! As aventuras de uma banda inigualável

Eu era um garoto ainda, e meu pai , vendo que eu tinha gosto pela coisa, sugeriu que o Solano Ribeiro, nosso primo, seria um bom contato pra mim, na música popular…( mais uma vez, Gelson fazia e fez a diferença, secretamente sonhando em ver o Guilherme na música – nunca assumiu muito isso, inclusive ele se arrependeu muito depois, mas essa é a verdade , devo tudo a meu pai ! ) Dessa forma, os embriões da saga do Moto Perpétuo e do Guilherme Arantes começam lá atrás, no longínquo ano de 71 – ( nos meus tenros 18 anos de idade ) – quando fui conhecer meu primo em segundo grau, o querido Solano. Através dele, muito de minha carreira posterior fluiria… Filho de uma prima do meu pai, Solano é uma sumidade em música popular, tendo em seu currículo admirável a direção dos mais importantes festivais, programas de TV, produção de discos antológicos e participação decisiva no que de melhor a musica brasileira apresentou em toda sua história… fui então ver uma produção dele no Teatro Ruth Escobar, a peça “Plug”, com participações de Carlos Lee ( incrível artista, cantor e poeta Dylanesco, com letras visionárias, inesquecíveis) , o maravilhoso grupo O Bando, de músicos magistrais, e envolvendo multimídias e performances com Rogerio Sganzerla, Rogerio Duprat e muitas outras pessoas incríveis da época…Pura contracultura ! O Teatro Ruth Escobar, no Morro dos Ingleses,junto com o Teatro 13 de Maio ( atual Café Piu Piu ) se constituem num pedaço considerável da minha vida. Muito do que vim a ser e que ainda sou está ali, secreta e sagradamente fincado, em amizades, casas, pessoas, sons, imagens, vivências e gratidões eternas. Naquelas escadarias, naquela praça, naquelas peças de Genet, montagens revolucionárias de Camões , nos incontáveis shows, sessões malditas, debates, se formou toda uma geração da cultura brasileira. Fiz parte disso. Nunca vou me esquecer. Naquela peça, Plug, conheci os maravilhosos músicos do grupo O Bando : a incrível e talentosa Marisa Fossa ( cantora ), Paul de Castro (guitarra),o Dudú Portes ( bateria), o Emilio Carrera ( tecladista), o Americo Issa ( guitarra, vocais ), Rodolfo Grani Jr, excelente baixista que se tornaria um amigão, e uma pessoa muito especial na minha vida, o baterista e compositor Diogenes Burani . De cara, houve uma identificação com Rodolfo e com Diogenes… Eu era fascinado pelo Bando, seus arranjos com duas baterias poderosíssimas, os riffs Led Zeppelinescos , era uma banda de muito respeito e virtuosismo psicodélico. Eu nunca tinha visto de perto nada parecido . As bandas de baile do passado ficariam a partir dali, sendo fichinha, brincadeira de amadores. Diogenes, numa tarde fria e cinzenta, me deu uma carona inesquecível na garupa de sua moto, uma Zundapp barulhenta… Rebelde e brilhante, Diogenes se tornou um ídolo. Era como que um irmão mais velho, pra mim – o irmão que eu não tive. ( agora…não consigo não chorar…) . Mas O Bando estava com muitos problemas internos, era muito talento junto, saindo faísca… Acabaram indo em blocos diferentes, cada um pro seu lado… Passei a frequentar a casa de Diogenes e sua querida e saudosa mãe, Dona Santina…, na rua Rocha ( na Bela Vista, perto da 9 de Julho ). Me tratavam como um parente chegado…Eu me espelhava nos bons exemplos do Diogenes, que estudava musica compulsivamente 24 horas por dia, se tornando um monstro na bateria… Testemunhei isso, e posso dizer que ele foi, é , e sempre será um baterista, um músico e criador de nível mundial, um visionário. Ele e o Rodolfo foram então tocar com Walter Franco – outro gênio – que lançava seu álbum seminal Revolver , com experiências quadrafônicas ao vivo, no Tuca –( Perdizes )… Walter era ( e ainda é ) um guru, na melhor acepção da palavra…Me lembrava muito o Donovan ( outro guru do mesmo nível e importância para o mundo…) se tornou um mestre para todos nós…Com suas letras minimais e geniais, seus achados…Tempos depois, Diogenes me ligou pra saber se eu tocaria com Jorge Mautner, no Teatro 13 de Maio…Que pergunta !!! Mas é claro que ERA TUDO QUE EU QUERIA FAZER DA MINHA VIDA ! Jorge era autor de livros, como “Narciso em Tarde Cinza” , que eu não parava de ler, e que influenciaria o “clima chuvoso” das minhas letras futuras, e era autor de canções malucas, filosóficas, entre elas o sucesso Maracatu Atomico que Gil acabava de eternizar …E assim, fui ensaiar na casa do Rodolfo Grani, na Previdência, e estreei ali minha carreira musical…no palco, fumando um cigarro atrás do outro, ainda com algumas espinhas na cara, super nervoso…Vou ser nababoô, vou ser nababuê…O relógio quebrou…e o ponteiro parou… O herói tem uma capa de estrelas…Tocamos também no Ruth Escobar, e quase que pintava uma viagem pra Bahia…Quando Diógenes falou que queria montar uma banda comigo ( eu tinha algumas canções com forte influencia de Milton/Clube da Esquina, umas levadas de 3 /4, de 7/8 , e até de 11 /8, quebradas, bem progressivas… )eu logo pensei no Rodolfo, mas este estava envolvido com Walter, com Jorge, não quis vir… Havia então um colega de Arquitetura na FAU, o Claudio Lucci, muito erudito, professor de violão que morava no Pari, e que também gostava de progressivos italianos ( Premiata Forneria Marconi, Le Orme, etc.. ) e chamei pra um papo comigo e com Diogenes. A gente tinha tudo a ver… Era o embrião da nossa própria banda…Pra mim, ter Diogenes comigo era um sonho, pois era mais experiente, e um músico totalmente acima da média… Ele logo lembrou de dois músicos que poderiam estar com a gente, o Gerson Tatini, um baixista monumental que morava na Aclimação, que curtia Gentle Giant, Yes, bem esquisitão… que tinha uma imensa aranha caranguejeira como xodó, dentro de um aquário de vidro, no quarto… E o Egydio Conde, um guitarrista também excepcional, com estilo bem Gilmour, bem Clapton, bem Beck, um luxo de pessoa, culto, elegante. Morava nos Campos Elysios, e eu me lembro que o pai dele fumava cigarros (muito) fedidos da legendária marca Petit Londrinos ( bizarro!)…Fiquei amigão de Egydio , também, a gente dava muita risada de tudo, identificação total…
Estava fundada a banda, e passamos a procurar um nome… Teve muitos candidatos… me lembro de “Parágrafo”…absurdo…Moto Perpétuo foi um nome que eu sugerí, e a gente logo se acostumou a ele – havia outras opções, mas acabou pegando esse nome… Na época, os Secos e Molhados tinham logrado um sucesso descomunal, tendo por fundamento o mesmo território efervescente do Bexiga: Teatro 13 de Maio, Morro dos Ingleses… Era impossível não falar e pensar nos Secos e Molhados , uma banda de qualidade fenomenal, tanto nas canções, nas letras, no cantor ( um verdadeiro gênio carismático e revolucionário, Ney Matogrosso ) . Conversei com Diógenes, e fomos procurar o empresário dos Secos, o queridíssimo, culto, arrojado e visionário jornalista Moracy do Val, que nos recebeu prontamente em seu apartamento na Alameda Lorena, ficando entusiasmado conosco… Moracy tinha um secretário, o Juracy Almeida, que se tornou instantaneamente nosso irmão. Pra mim, eterno. Acompanha a minha vida até hoje ( e continua igualzinho-da-silva, não envelhece, é um Mestre Yoda, hoje fortalecido em seu budismo exemplar…) Moracy estava repleto de problemas com as confusões de João Ricardo versus Ney, lá nos Secos…A banda estava se dissolvendo, para desespero dos milhões de fãs, como nós, e para desespero de Moracy, que estava sendo posto de lado pelo pai do João Ricardo, o jornalista e poeta João Apolinário… Lamentável, o final dos Secos daria muito pano pra manga, e a gente acompanhava passo a passo o inicio da carreira solo de Ney , uma grande estrela, e a tentativa de carreira solo do João Ricardo, com seu álbum de estética absolutamente fake-gay…Um fiasco total, apesar de ter o “midas” André Midani bancando…Que mico ! Enquanto isso, a gente andava de ônibus, e procurava um lugar pra ensaiar…Fomos então alugar uma casa no Brás, que era do sogro português do Sérgio, o irmão de Cláudio Lucci que trabalhava na Rhodia…O Claudio passou a ter um papel fundamental na banda, com suas ideias, suas amizades, suas soluções. Quase que um líder, trouxe para o nosso convívio alguns amigos leais, seus, de suas andanças ferroviárias no Brás, Mooca, etc.. Eram o “Zoio”, japonês, em cujo apartamento, perto do Ginasio do Ibirapuera, a gente se reuniu tantas vezes, e o Campacci ( o “Campa” ), um italianão que morava em Sapopemba e que faria a capa do nosso disco…Daí a musica dele falar em “Eram Três e Eu….” Claudio, com seu carisma de geminiano, era um agregador nato, e dava o tom ao Moto Perpétuo. Eu podia ter sido um líder no início, um mentor, mas os outros passaram a contribuir muito fortemente para a estética peculiar, a marca única da banda…O rigor das guitarras de Egydio, caprichosíssimo, melódico, sensual, as maluquices bizarramente musicais nas linhas de baixo de Gerson, a técnica infernal de Diógenes, com suas visões periféricas, geniais, os violões impecáveis de Claudio, suas incursões ao violoncello , fizeram o Moto logo explodir naquele quartinho de ensaios, no Brás, como uma música fulminante, da qual nos orgulharíamos pra sempre, sem uma única restrição, um senão, um retoque. A História nos julgará. Foi uma banda perfeita e ponto final. Fomos uma das melhores bandas de todo o movimento progressivo da época. Outra bandaça era o Vímana, do Rio, com Lobão, Lulu , Ritchie e Luis Paulo Simas. Outras de igual quilate eram o genial O Terço, com Sergio Hinds, Magrão, Flavio Venturini, óbvio, o Som Nosso de Cada Dia, com Manito, Pedrão Baldanza , Dino Vicente, e Pedrinho “negão” Batera, os divinos Mutantes.. . Que geração, a nossa ! Que orgulho nos dá ,hoje, vermos do que fomos capazes de fazer, com tão parcos recursos, na nossa mocidade ! Como a gente tocava, caramba ! Até hoje, não tem pra ninguém. Quem viveu, viveu. Quem estava lá, viu. A comparação que faço, hoje em dia, ao contemplar esse período, é com a Era dos Descobrimentos, em precárias caravelas de madeira ! É igualzinho !
Pois bem , na casa do Brás logo apareceu uma maitaca verde, um papagaiozinho que nunca falou uma única palavra… Era o Franz.. . Havia um cartaz escrito : “Ave Recalcitrante. Não perdoa, Bica !”…O Egydio havia comprado…finalmente…sua sonhada Fender Stratocaster, uma obra de arte, linda, em mãos tão talentosas…Pois ele estava mostrando , maravilhado, a guitarra pra nós, tirando cuidadosamente da embalagem, e eu, idiota, im-be-cil fui brincar com um martelo , falando, “…imagina se eu deixar este martelo cair…nessa guit….arrahhhhh…..” pois o maldito martelo caiu EM CIMA DA GUITARRA – XODÓ DO EGYDIO e fez um estrago no esmalte…Ele queria me bater…Com razão ! Os outros apartaram, eu fiquei com cara de idiota que eu era ….Merda….Como eu era crianção, como eu era inconveniente, até hoje não me perdôo por esse momento de bobeira desnecessária … Desculpe, Egydio ! …quase 40 anos depois…ainda não me perdoei ! Você me perdoou, mas eu não !
Aos trancos e barrancos, o repertório ficou pronto, e Moracy, que estava com moral na Continental ( do velho Byington ) nos ligou, oferecendo a oportunidade de gravarmos com o produtor Pena Smith nos estúdios da Sonima, na Av. Rio Branco. O ruim é que seriam só 5 dias, de segunda a sexta, num estúdio de…8 …canais… Lembro que Gerson foi frontalmente contra, pois as grandes bandas precisavam no mínimo de 24 canais…Seria uma loucura…Brigamos muito, mas eu decidí topar, e a gravação foi uma maratona de gambiarras sem fim… Baixo somado com bumbo num canal, batera toda mixada em outros 2, guitarras e teclados em mais dois, e assim por diante…O resultado, claro, apesar das qualidades do velho Pena, ficou muito aquém do que esperávamos, e do que a banda merecia…Mas foi o que pudemos ter… Disco feito, a capa foi elaborada pelo Marcos Campacci, o “Campa” de Sapopemba, mostrando em uma colagem as nossas fotos altivas de jovens com idealismo e muito orgulho desde o primeiro instante…E esse orgulho é diferente da arrogância. É pura a beleza dos nossos olhares …Como me emociono ao ver o quanto éramos, fomos e ainda somos íntegros ! Bem, naquela altura só restava ver quando e como o LP sairia…A Continental tinha uma “janela” de lançamento naquele final de ano de 1974, mas isso atrapalharia o lançamento de uma outra banda, do Rio, produzida por uma sobrinha do Byington (dono da gravadora) e essa banda era a Barca Do Sol , com os geniais Nando Carneiro, Jacques Morelenbaum, apadrinhada pelo Egberto Gismonti, e “darling”de figuras midiáticas da época, como Ana Maria Bahiana , um verdadeiro bicho-papão da revista “Rock”… Nem é preciso dizer o que aconteceu, certo ? Como nós batemos o pé com Moracy do Val pra sairmos logo com o LP , houve um massacre total nas resenhas especializadas. O Moto Perpétuo se viu, de cara, jogado na lixeira da “crítica”, saindo para as vendas no final de 74. Mas saímos, era o que importava… Logo tivemos o show de lançamento, no dia 11 de Novembro de 1974, uma mera segunda-feira, no Teatro 13 de Maio, que era dirigido pelo Benê Mendes…Até a “jararaca” da Ana Maria Bahiana foi…E foi um show incrível…Órgão Hammond com Leslie, Fender Rhodes com Echoplex Maestro , Clavinete Hohnner, tudo ali, alugado pelo Moracy, pra mim… Diógenes já com sua Ludwig metálica, bumbo duplo de 24, Egydio com sua querida Strato ligada num Twin Reverb…Gerson com seu Rickenbaker preto-e-branco, Claudio com seu violão Soros, sua Gibson semi acustica… eu me lembro de tudo, tudinho, parece hoje…. A FAU em peso, os amigos do Bar Riviera, a turma do Redondo, nossas namoradas, os cunhados, todo mundo lá, de uma vez… Me lembro da luz apagando, o teatro escuro, a primeira musica, “Mal O Sol”… Foi HISTÓRICO !
Os críticos cruéis passam, o mundo muda, mas o nosso acervo FICA
SÓ A HISTÓRIA NOS JULGARÁ.
E O MOTO SERÁ SEMPRE PERPÉTUO .

( 14 Set 2013 )

 

( complemento )

______________________________________________

Quero que todos saibam, e especialmente as pessoas citadas nos textos recentes, que se me dispus a contar essas histórias, fui movido pelo afeto, pela gratidão, pela boa lembrança, pelos momentos e cenas que não se apagam…personagens queridos de nossas vidas que só pertencem a nós, guardadinhos nos mínimos detalhes. Fiz da generosidade um mote, um denominador comum, alinhavando entre lágrimas as historias de um tempo tão difícil. E se fui injusto com alguém, ocultando ou esquecendo detalhes, peço que me desculpem. À vezes somos traídos achando que nossa memória é prodigiosa, mas a memória emocional é um oceano profundo, vasto…insondável…sempre haverá camadas e mais camadas de vivências, guardadas no cofre sagrado de nosso coração. Realmente, nas historias do Moto Perpétuo, muita coisa ainda ficou de fora..Por mais que eu me esforce, sempre restarão mais e mais mistérios e preciosidades. Por hora, ví que ficaram de fora a querida mãe de Claudio, Dona Zilda, que me entendia completamente, e que me recebia como um filho, junto com seu Armando, naquele Parí, sentindo cheiro de pão-doce da padaria, e mais tarde naquela Santo André na casa espaçosa, sempre uma comidinha carinhosa. Ficaram de fora o cheiro acre das tardes metalúrgicas e cinzentas do Brás, a Cantina do Largo da Concórdia, que há muito não existe mais – só nas lembranças – As mercearias podronas lotadas de pertences de feijoada, a linha Largo da Concórdia da CMTC, a nossa batalha, sempre andando de ônibus…Ficou de fora lembrar que foram anos de esvaziamento, repressão, Dom & Ravel e o “País que vai pra frente”, sem festivais de MPB para nos lançarmos – houve um hiato entre os antigos FICs da Globo ( quando brilharam Maria Alcina, Walter Franco – nota : O Diogenes tinha essa experiência na bagagem, mas logo pegou o “osso” junto conosco) e o Festival Abertura, aquele que anos depois revelou Djavan, Alceu, Melodia, Mautner, Robertinho de Recife, etc )
Mas a história não me incomoda, não…Se tenho tanto a lembrar, porque eu ficaria só fazendo músicas, musicas, músicas, alguém aqui neste espaço pessoal me surpreendeu e sugeriu que eu me calasse ? Que “deixasse de falação” ? Quem é que falou na palavra “mágoa” – aliás, “mágua” – essa seria a última toxina a contaminar a minha humilde, mas riquíssima história… Quem falou em “mágua” sabe o que é ter memória ? Ou só lembra se si mesmo, de seu umbigo ? Não tem memória para lembrar de nós mesmos ? O que há de errado em lembrar com carinho as jóias de nossas vidas ? E o que há de errado na gratidão ? Segundo o mais elevado de todos nós, o Juraci, é um dos estados do Buda. Aqui me escreveram : “Chega de falação”, mas o que é isto, invadindo o meu, o seu, o nosso espaço ? O que quiseram sugerir ? Que eu focasse somente na “música”, já que nesse quesito eu estaria muito a dever, porque cedi às tentações e me tornei um cantor popular ? Ficou, sim, de fora lembrar que não tivemos nenhuma facilidade, só pedreira. Ficou de fora contar que André Midaní nos esnobou, que aquele “midas” sapientíssimo da Phillips sugeriu que a única chance para nós seria acompanhando o “Rocky Horror Show”, um musical de Guilherme Araujo, no Rio, e que a gente recusou…. Ficou de fora lembrar do empresário Mario Buonfiglio e sua incrível maleta de microfones ? Lembrar do Gabriel Neto, empresário da excelente banda Apokalypsis, e que ambos “empresários” viraram a cara para nós ? Ficou de fora lembrar do Jacques Caleidoscópio e seu programa de doidões, nas madrugadas da Radio America, onde a gente ficou mendigando uma chance ? A verdade é que o mundo não estava preparado para nós, mas até aí não tem problema algum. O mundo, normalmente, sempre foi assim mesmo, nunca está preparado pra coisa alguma, só para o óbvio…Muitas vezes até prega na cruz, pra depois se ajoelhar perante a verdade… Ninguém aqui está magoado, combinado ? Somos felizes, deu tudo certo. Temos histórias pra compartilhar . Ninguém,nem nada, nos roubará esse acervo. E mais uma vez afirmo : a história nos julgará. E o que é perpétuo não cessará de se mover.

( 20 de Setembro de 2013 )

Carreira Solo !

Carreira-solo !
Estamos falando de um tempo em que escrevíamos cartas e aguardávamos 30 dias para uma resposta…Tempo de orelhão com ficha, calça boca de sino, em que liamos O Despertar dos Magicos, Aldous Huxley e Hermann Hesse. Em que víamos sessões malditas de Godard, Antonioni e Pasolini, íamos a shows do Papa Poluição e Odair Cabeça de Poeta e ouvíamos Pink Floyd – Atom´s Hearth Mother até na abertura do Jornal Nacional, naTV em branco e preto… Um dia eu conto as peripécias da montagem de minha incrível banda, o Moto Perpetuo… Um outro dia… Por hoje, quero me debruçar sobre o período em que resolví seguir o meu destino de cantor popular….As últimas lembranças do Moto Perpetuo, pra mim, foram do famigerado Festival de Aguas Claras, Iacanga, num pasto de fazenda, repleto de hippies, bandas progressivas, barracas de acampar, comida comunitária, argh… com um cheiro misto de cebola-com-banana…Mulheres de pé sujo, de vestido de chita, dançando capoeira…”paranauê…paranauê, paraná….” as grandes bandas ali eram o Som Nosso, o Terço, muito Johnny B. Goode e o refrão Go, Johnny Go,Go,Go… Me lembro que éramos outsiders sofisticados, com um som misturando Clube da Esquina com Yes…Gentle Giant.. Desde a chegada na tal fazenda, o cheiro do “banheiro” era inacreditável…um valão, com umas tábuas formando um vão pras pessoas cagarem num buracão comunal, uma “trincheira de fezes”… Alguns hipongas procuravam “seres” no riacho, pra comerem…Esses bichos-grilo chegavam aos magotes , pelas estradas, como que remanescentes perdidos de um woodstock permanente…Acho que essa tribo até hoje continua perdida pelas estradas e até pouco tempo atrás ainda comparecia, junto com os crucifixos de Ozzy, sempre que havia um chamado similar de “festival ruralóide”…Nós nos apresentamos debaixo de vaias e críticas, até pela nossa postura…Eu vestí terno-e-gravata, com colete de casimira inglesa…pedante, de propósito, pra chocar aquela hipongaiada fracassada…A gente optou por nos hospedarmos em Iacanga, cidadezinha mais próxima, à beira da represa, em quartos limpos, com direito a sanduiches na padaria e sorvete de limão na pracinha…Comprei uma moringa de presente pra D.Hebe, minha mãe, que é natural da região – de Ibitinga. ( até hoje essa moringa está em cima da geladeira da mamãe….Me lembro que alguém da banda me criticou pela minha absoluta falta de “espírito de Woodstock”, de não querer ficar junto com a galera dos acampamentos…Realmente, me descobrí mesmo aristocrático e me perguntei o que eu estava fazendo ali…Em cima do palco, tratei de focar na luz forte do “canhão”, e aquela luz me acompanhou para o resto da vida. Até hoje eu vejo a mesmíssima luz. Ali, no palco do Festival jurei que, se alguém ali iria durar e fazer carreira, esse alguém com certeza seria eu. Bem, o fato é que depois daquele “desastre promissor” eu e o Cláudio tentamos algumas incursões de divulgação mais “realista”, fomos parar no “Almoço com as Estrelas” do Airton e Pepita Rodrigues…Subí as escadarias da Cantina Don Cicillo ( na Pompéia ) carregando um piano Fender que eu havia comprado do Antonio Adolfo, no Rio… Parte da banda não foi – Diógenes , o baterista, ( e acho que também o Egydio, o guitarrista ), se recusou a ceder à “breguice” do Brasil…Humm…Fui só eu, Cláudio e o baixista Gerson Tatini… Eu tinha certeza que precisávamos ( ou eu sonhava com isso) do Brasil dos auditórios, das trilhas de novela, etc.. Então havia uma grave cisão na banda. Eu percebí que eu estava querendo mesmo ir cantar na televisão. Me sentia artificialmente amarrado a uma banda, tinha muitas composições, e sabia que era um cara bonito que estava na flor da idade…Um problemão era eu compor em português, o que era tabu na época, pois todos os lançamentos estavam sendo em inglês… Cheguei até a visitar o Cesare Benvenutti, produtor de alguns desses lançamentos tipo “Tell me Once Again”, etc.. Mas não me animei a me lançar como mais um “fake” de americano…No final de 75, gravei uma fita de rolo, em 7 1/2 polegadas, tocando piano e cantando Meu Mundo e Nada Mais, Antes da Chuva Chegar, Pégaso Azul e outras musicas que eu tinha…Foi no Estudio Pauta um estúdio monoaural ( 1 só canal ), na Rua Major Quedinho, onde então conhecí o dono, o querido Luiz Arruda Botelho…Peguei algumas cópias dessa fita e tratei de espalhar pelas gravadoras da época : a RCA, na Rua Dona Veridiana, a Philips, numa casa da av. 9 de Julho, e a Som Livre, que ficava numa sala comercial na Rua Augusta, pertinho da esquina com a Estados Unidos. Me lembro que me sentei entre os demais “calouros”, pessoas humildes, pobres, como em qualquer sala de espera de calouros de TV… . Essa era uma situação típica da minha convicção especial, da minha intuição : aquele era um lugar desagradável, onde meus colegas, todos, sem exceção, jamais pisariam…Só eu. Provavelmente por isso dei certo…Pra mim, nunca teve mico nenhum… Era novembro de 75, fazia um calorão de verão em SP e eu estava perdendo mais um ano na FAU, não conseguia passar do primeiro ano de Arquitetura de jeito algum, eu estava ferrado – meu pai andava de saco cheio com minha insistência musical…Brigava todos os dias, me chamava de vagabundo. O Moto Perpétuo não havia resultado em nada que pudesse mudar a minha vida. Só dívidas, sonhos, pouca gratificação além da qualidade musical…Pobre de mim…Andava sem rumo, e perto de me matar. Cheguei a ir até o teto do prédio, e abrir os braços na beirada do precipício. Meus amigos da banda ficaram magoados com a minha desistência, minha revolta, minha saída, e me encaravam como um traidor. Pensando em tudo isso, ali na salinha de espera dos calouros da Som Livre…quase na hora do almoço, fui chamado por uma secretária, Sueli, e fui recebido por um jovem produtor de bigode, Otavio Augusto, conhecido como Pete Dunaway – que gravava baladas em inglês e tinha sido cantor do Memphis, uma famosa banda de bailes do Círculo Militar…Eu já havia ouvido falar dele, pois havia produzido o disco “Fruto Proibido”, o trabalho excelente que finalmente brindou com sucesso a carreira de Rita Lee, ídola-maior da minha geração…Bati um papinho com Otavio, contei que eu tinha tido uma banda, o Moto Perpétuo, e que queria me lançar em carreira-solo. Ele me ouviu, foi super-educado, mas não prometeu nada, só disse que ia ouvir. Dalí , voltei para a casa dos meus pais, para o meu cotidiano triste e angustiado de batalhas sem resultado…Minha mãe chamou pra irmos no Natal passar férias no Guarujá…e fui contrariado, passar umas semanas lá, eles tinham comprado um apartamento na praia de Pitangueiras , e eu adorava ir pra lá pescar e fazer minhas letras, sempre solitário…Já perto de Fevereiro, mamãe pediu pra eu dar um pulo em SP e apanhar umas contas de luz, água, telefone, pois estávamos na praia desde o Natal…Quando estou abrindo a porta do apartamento, o telefone está tocando no hall – atendí – era a tal Sueli, que falou “Graças a Deus – é o Guilherme ?” Eu disse-“ Sou, porque ? “ e ela– “Aqui é a Sueli, secretária do Toninho Paladino, da Som Livre – Estamos há quase um mês ligando pra você, não consigo te achar, você tem que vir na Som Livre imediatamente ! Sua música entrou na Novela das Sete e você precisa gravar imediatamente…etc..etc…” Não ouví mais nada. Dei um pulo tão alto que batí a cabeça no topo do batente da porta, quase desmaiei…Dei um grito monumental… A minha vida havia dado certo !
Novela da Globo ! Era tudo que eu queria !…Chorei muito ali, na casa da mamãe, sozinho, numa alegria incrível e solitária… Corrí então para a Som Livre. Chegando lá, fui recebido com muitos sorrisos e muitos abraços do Antonio Paladino, da Sueli, e do Otávio Augusto : eu estava com muita sorte, pois eu estava sendo visto como o “Elton John brasileiro” ( Elton fazia muito sucesso com GoodBye Yellow Brick Road” , Captain Fantastic, etc.. Me colocaram pra assinar um contrato fonográfico ( 5% de direitos fonográficos pra mim ) mas eu não seria tolo em questionar nada : essa era a oportunidade que eu sempre busquei ! Gravar um tema de novela em português…Eu sabia que isso representava tudo de uma vez … Me lembro também que a Paulista ainda estava em obras do Metrô ( um buracão enorme ) e dali eu liguei ( no orelhão ) para o Guto Graça Mello, que eu conhecia desde uma gravação com a Bibi Vogel ( uma parceria com ela – Amor de Hora Marcada ) em que fui para o Rio tocar piano no Estudio Havaí… Guto me pediu pra adaptar a letra ao personagem Rodrigo ( vivido por José Wilker ) que sofreria uma traição no inicio da novela, e aí a minha música se encaxaria… Troquei, na letra, “Me atirei no mundo, ví tudo mudar…” por “Quando fui ferido…” e ainda compus uma segunda parte “Não estou bem certo se ainda vou sorrir sem um travo de amargura…” E assim, finalmente, fui para o estúdio da Gazeta, ali na Paulista, onde Otavinho havia chamado Chico Medori ( o Chicão ) , um baita batera, o Claudio Bertrami no baixo, e eu, por lealdade e companheirismo, chamei o Claudio Lucci pra tocar o violão…No estúdio havia um piano Steinway de cauda, velhão, com um timbre metálico, maravilhoso…e tinha também um Elka Rhapsody teclado italiano de Strings e eletro- harpsichord , o que resultou imediatamente num hit fulminante…Me lembro da cara do Otavinho rindo pra mim : é sucesso ! é sucesso ! Realmente, Otavinho era um craque na produção… Na madrugada seguinte, um sábado, a música estaria pronta…E a carreira-solo decolou. Nunca mais a vida seria a mesma pra mim ! O resto, é história.

( 13 Set 2013 )

Chorão e Champignon

 

Chorão, Champignon e a estética desesperada dos limitrofes…
Sempre gostei, e muito, das canções do Charlie Brown Jr, porque expressam o desespero das almas nos limites da existencia.
Podem especular o perigo rondando a todos que apresentam esse perfil angustiado, os vicios, os excessos, o descaso clínico com a propria saude, a depressão,a baixa auto-estima, mas nas letras e canções esses garotoscravaram muitas obras-primas. Meu respeito, admiração.
Os temas não eram meramente juvenís, as angustias existenciais estão ali no descarnamento corajoso da mesma qualidade intrinseca de um Rimbaud, de Baudelaire, da “geração perdida”, na melhor tradição trágica tão apreciada pelos tablóides, pelo pop star system…
Só sei que estou triste porque alguns fãs foram cruéis após a morte de Chorão, um outro ser atrapalhado, e colaboraram para que o valoroso Champignon entrasse num parafuso e fizesse essa bobagem, explosão de momento….Grande musico, segurou o maior rojão porque Chorão era uma personalidade dificil e complicada…Sem Champignon, Chorão não teria feito a obra que fez. Sem Chorão, Champignon ficou sem saber pra onde ir…Viveram, juntos e separados, vidas intensas, de altos e baixos…Faces da mesma moeda. Minha homenagem a eles : fizeram canções verdadeiras, sofridas, existenciais e muito belas.

( 10 Set 2014 )

Taça de Veneno – a Saga

“A gravação histórica de “Taça de Veneno”

Em 1991 eu estava enfrentando um dilema recorrente : eu precisava reatar o pop rock no meu som, pois eu acompanhava os movimentos do mercado na época, e me sentia bunda-mole demais com a velha CBS… A EMI Odeon, na época, estava com um cast muito vitorioso e importante …Paralamas, Legião, Kiko Zambianchi, Fernanda Abreu, Marina… eram pontas de lança de um trabalho definido em vídeo também, com produções caprichadas… eu estava na CBS/Sony em um fim de fase, onde a gente havia cravado muitos hits, mas o perfil daquele selo, pra mim, naquele período, era invariavelmente mais romântico-brega do que eu gostaria… eu me achava ultrapassado.. e eu já havia sinalizado em “Guarde o Coração”, “Pão”, etc.. o que eu queria ser e fazer… então lá fui eu para a EMI, me auto-produzir no CD “Crescente”. Aluguei o Mosh, chamei os músicos e dei essa direção de trazer de volta o Rock, o Pop mais “hard”, resultando num disco muito lindo, muito verdadeiro…Reuní então o velho Luis Carlini com o pessoal do Barão ( Roberto Frejat, Guto Goffi ) e gravamos, (numa noite memorável de sushis-sashimis-e muito sakê no estúdio) o que seria pra mim uma pérola no meu repertório : “Taça de Veneno” , uma música intensa com letra lancinante…O Carlini deu um show no solo, e Frejat , em dobradinha com Guto, um show no arranjo… Fiquei tão entusiasmado que dei para o Frejat o meu querido e velho pedal MXR Phase 100 laranja… ( eu me arrependi depois, e décadas mais tarde comprei um outro igual , que agora anda comigo nos shows….Mas isso é uma lembrança carinhosa de coisas tresloucadas que fiz…( nota : o Sergio Dias também ganhou pedais : um Morley Analog Chorus e um Mutron Flanger por suas brilhantes participações na minha carreira – mas esse é um capítulo à parte…conto depois…)

O som de Taça de Veneno é incrível… me lembro que viajei, com Oswaldo Malaguti do Mosh para New York, pra masterizar no MasterDisk… só no Masterdisk, foram 13000 dólares de custo do meu bolso…mas eu não me importava: esse momento de “virada” era fundamental pra mim….O disco “Crescente” teve um capricho muito grande da Cecília Assef, na época diretora de Marketing da EMI, em toda a parte gráfica e promocional…Tenho grande gratidão pela EMI, e pela qualidade que me foi atribuída…Taça de Veneno teria um vídeo-clip dirigido pelo genial Flavio Colker ( monumental fotógrafo de inúmeros créditos ilustres, que também fez a capa do disco, um artista muito especial e importante- curiosidade : é irmão da Deborah, a grande coreógrafa ) e entraria para a trilha da novela “Deus nos Acuda”…O vídeo, inclusive, mais tarde concorreu ao primeiro VMB, e guardo com carinho que só não ganhou porque os Paralamas estavam com uma obra-prima videográfica no mesmo premio…

endereço do video : http://vimeo.com/27397768

Essa música, será motivo de orgulho para mim, sempre . Obrigado, Carlini, obrigado Frejat/Guto, Oswaldo Malaguti, Flavio Colker, EMI !”
( 8 de Setembro 2015 )

Taiguara !

Cantei essa bola, dia 21 de Julho, e muita gente curtiu…Me sinto gratificado pela “vidência”… Parabéns pelo relançamento, parabéns ao Sergio Martins pela justa reportagem na Veja desta semana. Esse disco é muito especial mesmo ! Mas lembrem que Taiguara é maior do que qualquer militância, aliás como a maioria dos grandes artistas que, por idealismo social e inocência política, se embrenharam em lutas e foram crucificados – via de regra. Taiguara foi injustamente perseguido, na época, pelo elevado teor de seus conteúdos étnicos, indígenas, até hoje muito desprezados. A Censura houve por bem persegui-lo, e ele foi armadilhado por esse rancor, colocado num panteão de “malditos”. Revoltado, teve coragem e partiu para o confronto aberto, sendo então taxado de “chato” até pelos fãs . Mas ele foi muito, muito maior do que simplesmente um “maldito”. Para mim, foi o MAIOR MESTRE DE TODOS. Um músico sublime, um poeta fulgurante, um cantor de voz belíssima, um compositor de primeira grandeza. Não lhe souberam dar o devido valor e o isolaram no ingrato meio artístico. Vejam bem o que penso: a Causa Negra sempre apareceu como prioritária, e ninguém discute sua legitimidade, sua beleza. Já a causa Índia é sempre posta de lado, como se fosse de menor importância. Não é. O fato é que a etnia indígena geneticamente venceu: somos brasileiros com alto teor de cromossomos índios na nossa carne, em nosso sangue. Até mais do que o sangue negro. Não há vitória mais inequívoca do que pela genética. O índio venceu na Terra Brasilis. Somos um bando de indígenas. Basta olhar pra nossa cara. O eterno problema desses artistas voluntariosos (e entre eles o nosso querido Taiguara), com as eternas “vivandeiras” da velha direita,formadoras de opinião, alérgicas ao que se denominou genericamente de “socialismo”, é fácil de entender : O “processo histórico” no plano imediato é invariavelmente podre. As lutas sociais sempre descambaram para a decepção porque a natureza humana é primariamente ruim, precária, corrupta. Secundariamente , existe uma raiz “boa” na sociedade, mas esta raiz “Rousseau” da humanidade não se manifesta imediatamente nos processos evolutivos – só após sucessivas revisões dolorosas. E é isso que estamos vivendo hoje, no Brasil. Algumas replicações em blogs da revisão sobre Taiguara estão vindo carregadas de teor duvidoso. O talento permanente de Taiguara não merece ser identificado com a temporã corrupção que sempre assolou a política brasileira. Não façam isso. Não o crucifiquem mais uma vez, aproveitando o clima crítico, virulentamente maniqueísta, reducionista, diabolicamente dialético, da atual temporada. O Brasil vive um momento de conflito, de convulsão, de graves escolhas. Políticamente, é um momento desfavorável para o “revival” desse grande artista tão longamente “ocultado”. Mas esteticamente, ele é muito oportuno. Desvinculem esse grande talento do mero “discurso político”. Ele foi muito sofrido, maltratado, em vida, na época, por suas convicções. O discurso inerente nas canções é belíssimo. Alguns vídeos que mostram Taiguara discursando em shows são desinteressantes, para mim. Eu quero o músico. Pra mim, fica o gênio. Tenho certeza que hoje ele estaria enojado com o que fizeram das “lutas sociais”. Só a História longínqua, de maturação lenta, poderá fazer justiça às convicções sociais do cidadão. Já à sua genialidade artística, estava demorando uma grande releitura. Viva Taiguara !

( Sobre Materia na Veja – 5 de Setembro de 2014 )

O Premio Multishow melhor disco do ano

AGRADECIMENTO em COMPARTILHAMENTO
Esse premio ( melhor disco ) eu quero dividir com todos que participaram desse trabalho maravilhoso, TÃO gratificante:
Os músicos Luiz Sergio Carlini (guitarras, violões, steel), Alexandre Blanc (guitarras, violões,steel, mandolin), Willy Verdaguer ( baixo), Gabriel Martini (bateria e co-produção pacientíssima ), que contribuíram decisivamente na formatação das bases, tanto no “trabalho de casa” quanto nos dias mágicos de Jacuípe. Ao Pedro Arantes, por compartilhar de tudo desde o começo, coordenar e co-produzir tudo com tanta competência…Cassio Poletto, pelos violinos, Ricardo Lima pelas percussões, Scandurra pelo solo clássico de talkbox, Jeneci com seu acordeon e sua melodia encerrando o CD, com todos do coro, Curumin, Tulipa, Jeneci, Kassin, Duanni, Marietta, Mariana Aydar, Tiê, Luciana Oliveira, Thiago Pethit,Laura Lavieri, Bruna Caram,Marcelo Segreto, Adriano Cintra, com o Anderson Carlos da Libertà, com Kalil, com Juraci, com o pessoal do YB, Lenza, Mario Amaral…Dividir com o Pedro Matallo pelas fotos históricas, com a querida Anna Turra, gênia, gente, peça fundamental nessa vitória com sua competência gráfica e videográfica. Dividir com Renato “Renaton” Di Giorgio por toda a concepção e artes de sites e redes, pelo trabalho magistral que deu os frutos tão generosos…Dividir com Kaya Verruno pelos vídeos, com Tiago por participar de tudo. Com Marcus Preto pelo entusiasmo e ajuda, sempre…Dividir com o Plano Superior, aquela luzinha lá dentro de mim me puxando…
Quero dividir com Márcia, porque em todas as canções permeia o nosso amor, costurando tudo com as estrelas na noite reveladora da Bahia, quando eu ví a minha vida em panorama de gratidão e compaixão.
Dividir com Bebel Prates, maga, ( craque ! ) em sua dupla com Marcos Sassa, dividir com Eliana e Tânia pela luta e lealdade nas TVs, também com Lurdinha, Lindomar em SP, com Genésio nas rádios. Dividir com todos os jornalistas, radialistas e comunicadores que acolheram de forma incrível, do mais influente ao mais humilde. O clipping deste ano é simplesmente inacreditável. Uma vitória de todos nós. Se faltou alguém, haverá tempo de reparar , me desculpem pela emoção desta manhã inesquecível.
O Melhor Disco. Para o Premio Multishow e também para minha alma lavada. Estou vivo ! Valeu !
Viva o nosso amor imorredouro pela música ! Viva o idealismo de transformar o mundo !

( 4 de Setembro de 2013 )

Minha alma Black

SALVE MARTIN LUTHER KING !
Há 50 anos, eu ainda era muito jovem, mas sabia perfeitamente o que estava acontecendo. Nasci mesmo em uma época vergonhosa, que nem faz tanto tempo assim, em que havia apartheid violento nos EUA. Essa bela nação poderosa, que mais tarde eu aprenderia a visitar e apreciar com freqüência, ainda fazia parte do atraso da discriminação, um exemplo nefasto num mundo recém-saído da Segunda Grande Guerra. Poucos anos antes do meu nascimento, no mundo, respirando o mesmo ar que eu respirava, ainda havia Hitler e Mussolini, entre outros ditadores brutais, numa Europa convulsionada pela chegada do comunismo no Leste.
A reflexão é :
– Como sou velho ?
Ou será :
– Como tantas coisas absurdas são tão recentes ? Como tantos atrasos ocorreram há tão pouco tempo atrás ? E como tudo parece tão arcaico ? Será mesmo ? Será que acabou ?
Fiquei MUITO feliz no dia em que eu escrevi e gravei este tributo a todos os meus inúmeros ídolos e incontáveis amigos inter-raciais ( na escola, na rua, na vida, na música ).
Acho mesmo que sou negro lá no fundo da alma, lá dentro onde a voz de Ray Charles reverbera sem fim…

Tributo (Cena de Cinema)

Eu queria que você soubesse
que pra mim não existe diferença de cor
Tudo que ainda trago no peito engasgado sobre preconceito e “raça superior”
Desde pequeno eu escutava calado as façanhas do mito ariano, opressor
Homens na sala, meu tio depositando as armas na estante, me enchendo de pavor…
As inocentes piadas infames de negros, judeus, muçulmanos, orientais, índios e latinos, como se não fossemos também genes misturados…
como se não fossemos também discriminados
Mesmo sem saber, mesmo sem querer nem querer saber
mesmo inconscientemente vivendo numa redoma de ilusão
me feria ver um mundo apartado em guetos
Algo me dizia que eu não via futuro
Favelas, distritos, conflitos, o bairro dos ricos
O ovo da serpente e a semente do mal
Culto ao fascismo, fascínio do nazismo, Hitler, Stalin, Mussolini, Franco e Salazar, e todos os tiranos de qualquer lugar
Fizeram a história aprendida na escola…
E quase que passou em branco o Quilombo de Palmares, saga de Zumbi,
Aprendemos mais (a) Guerra do Paraguai
Chacina, assassinato, nódoa que não sai,
Enquanto isso Repórter Esso, Martin Luther King e o rei Cassius Clay…
Eu vi as lutas todas, round por round, nocaute por nocaute
Muhammad Ali…
Por aqui… era enrustido… hipocrisia pura – a lenda do povo cordial…
Ainda bem que tudo mudou, (e) tinha que mudar
Meu país – o último da fila da abolição, o primeiro da classe em miscigenação…

Hoje eu consigo entender porque estrangeiros me fazem, sempre, estranhas perguntas: Where are you from? – Are you na Afghan? – Are you from Pakistan?

E sinto na pele o que querem dizer…
Deve ser a minha herança indígena no sangue, na cara, na pele vermelha
dourada de sol, o sol do Brasil,
onde as mulheres são lindas e tardam a envelhecer
Eu preciso fazer um tributo a você,
a todos os amigos de todas as cores
que me quiseram bem, que me fizeram ser o que sou e desprezar a discriminação…
Ídolos da minha mocidade foram, são e serão… Ray Charles, Chuck Berry, Little Richards, Otis Reding, Jimmy Hendrix, Bob Marley, Stevie Wonder, Marvin Gaye, Sly & the Family Stone, Kool and the Gang… e por aqui, também, Jorge Ben – ou melhor, Benjor, Milton, Tim Maia, Baden e Gil.

( 25 de Agosto de 2013 )

Show na Bahia em 2013

Gratidão à Bahia
Acordei na madrugada, perdí até o sono. O dia nasce, lá longe, no mar profundo da Bahia… Logo mais estaremos juntos no TCA ( Teatro Castro Alves ), para um show de importância singular para mim. Estamos com ingressos quase esgotados, numa resposta de público vigorosa, contundente, uma repercussão inesquecível. Quero agradecer muito, mas muito mesmo, à Bahia que me recebeu e recebe com tanto calor, que me tem um carinho tão especial. Prometo que será um show histórico, porque eu andava engasgado com esse meu débito à Cidade de Salvador…à terra da Bahia… Inacreditáveis décadas nos separam dos shows consagradores dos anos 80 na velha Concha ( antes da reforma que a profissionalizou para a modernidade ). Sempre eu guardava na memória o desejo de oferecer à Bahia um show maiúsculo, num lançamento de um disco maiúsculo, mas uma longa covardia empresarial tratou de me manter distanciado desse chão, que afinal, é a minha casa. Onde tudo nasceu. Esse palco sagrado onde pisei pela primeira vez em 1977, num evento chamado ExpoSamba, um festival que reunia João Bosco, João Nogueira, Silvio Cesar, Noite Ilustrada, Belchior, quando então conheci Ildasio Tavares, que me abençoou veementemente, e legitimamente, em nome da Bahia… Na ocasião, fomos a um terreiro importante, da Nação de Ketu, em Paripe, num passeio de escuna. Ali, ouvi pela primeira vez a revelação de ter Mamãe Oxum coroando minha cabeça. A predição de que um dia eu faria uma canção para as águas, que aqui seria sempre acolhido com todas as portas abertas, por força de uma peculiaríssima conjunção espiritual , e de que esta terra, por fim, se tornaria a minha terra, por escolha consciente e inconsciente, nos planos material e sobrenatural. Quero agradecer pelas inúmeras confirmações e milagres que aqui se operaram na minha vida. E agora, mais este dia… Este é o melhor presente para o meu aniversário de 60 anos (dia 28). Sei que o meu papel na vida é, além de alegrar, fazer o público chorar. Não vou fazer por menos à Bahia, que me fez, e faz chorar, cada vez que eu chego de avião, cada vez que eu penso nela, esteja onde eu estiver. Valeu ! A gente se vê logo mais à noite.

Abraço!
( 12 Julho 2013 )

Papo cabeça na madrugada

Um dia me deu um clique num avião, e enxerguei o óbvio:
tudo o que vemos, sentimos, percebemos, do mundo, do cosmos, da vida, é uma mera representação. Não vemos o que é. Vemos o que conseguimos representar a partir do que é. Os átomos são tão distantes uns dos outros quanto a Terra de Júpiter ou do Sol. Melancias, laranjas, limões, ervilhas e grãos de sal a muitos quilometros de distancia uns dos outros… Essa é a realidade do Sistema Solar, e da matéria em suas estruturas. A física prova isso . Quando batemos a mão na mesa, o choque não é entre átomos ou moléculas. É só entre campos eletromagnéticos. Ondas.
Vibrações. Não há choque propriamente entre átomos, entre “massas”.O Universo flutua no Nada.
Quando pisamos o chão do planeta, se dependessemos dos átomos e sua infinitesimal dimensão, os pés entrariam na terra, como se nada existisse entre nossos corpos e o substrato. Se interpenetrariam totalmente, não fossem os campos magnéticos. Já pensaram nisso ? Quando dizemos que existe uma mente criadora do universo, cometemos muitos erros básicos. O que é uma mente ? O que pensa ? E o que é exatamente pensar ? O que pensamos que fazemos ? Tudo representações, sem fim…sem fim…A grandeza do universo, tando para fora como para dentro, é tão,mas tão acachapantemente maior, a cada dia que a ciência avança, que qualquer “visão religiosa” para o cosmogênese é um mico completo, uma representação caipira da realidade monstruosa da Obra. Não digo em momento algum que duvido da grandeza da Obra, mas sim reforço e multiplico essa grandeza. Se até nossos pés no chão são uma ilusão física, que dirá da pretensão humana das Escrituras, todas as Escrituras, tudo balela inutil. A África tem etnias especializadas na comunicação com o Sobrenatural através da dança, do ritmo. Nas minha parca opinião, muito mais profunda do que a comunicação das etnias semitas, escriturárias. São raças de escribas, sem o menor talento para o ritmo ou a dança…Para compensar sua deficiência, todos os troncos dessa mesma árvore: Judeus, Cristãos, Muçulmanos se especializaram em outra linguagem…Livros. Bonita também, válida também, mas precária.pois essa não é a única forma de se tentar codificar a Verdade.
E a Verdade está muito, muito, mas muito mais além da compreensão dos Dogmas.
Devemos ser a piada da Galáxia !
Se aquilo que imaginamos é fato : de que existem milhões de civilizações no Universo, grande parte em estágios muito superiores ao nosso,, devemos ser motivo de observações vexatórias : Ora, em nossa pretensão babaca,inventarmos um Deus à nossa semelhança, pra que Ele nos recriasse à Sua semelhança, é, no mínimo, ridículo e provinciano.
Ainda bem que tudo são apenas “representações”.
( 20 Maio 2013 )

Complemento do papo cabeça. Preciso concluir porque muito ficou sem uma amarração “espiritual”, então eis a minha segunda parte.
Por mais que eu tenha parecido materialista no texto anterior ( quem não leu, leia antes de prosseguir aqui ) só falei em “representações” que somos capazes de elaborar. O Universo existe,insondável. A morte, por exemplo, também pode ser uma representação de um “fim”. Não há fim em nada. Tudo prossegue. Como ? tentamos imaginar, e até crer. Não temos culpa de sermos limitados.A Ciência também é uma mera representação da realidade. E é limitada. Sempre será face ao infinito. A vantagem dela sobre a religião , é que ela avança mais visivelmente do que a fé. A fé parece uma coisa estática, ancestral, antiga, não tem um processo visivelmente evolutivo. Isso eu questionarei sempre.
Nossa visão de nosso “ser” também é uma mera representação. Somos muito , muito mais do que parecemos. O que, exatamente, não sei. Mas há muito em nós para o que temos de reconhecer nossa total ignorancia. Viví muitas,inúmeras experiências extraordinárias, claramente “sobrenaturais”, das quais nunca duvidei, e para as quais as diversas pessoas dariam diferentes interpretações. Considero minha passagem na Terra absolutamente milagrosa, vivo em permanente estado de gratidão. Vou contar aqui uma passagem muito misteriosa.
Alguns anos atrás, eu lí um livro que saiu com grande impacto, “Deus, Um Delírio”, do biólogo darwinista inglês Richard Dawkins – mundialmente aclamado e controvertido, por defender a visão ateísta e cientificista. O livro se propõe a tornar o leitor atento (e capaz de compreender suas partes) um descrente em qualquer forma de “teísmo”, um “ateu”.
Pois bem- lí ,gostei MUITO e entendi perfeitamente.
Aceitei completamente a argumentação.
No momento exato em que eu fechava a última folha, o telefone tocou. Era um convite pra eu ir tocar em Belém, na passagem do Círio de Nazaré, para a Nossa Senhora, Santa Maria, na sua Berlinda. Fui, é claro, ainda sob o impacto da leitura de um livro maravilhosamente demolidor. Não adiantaram nada todos os argumentos de Dawkins. Chorando copiosamente, cantei na passagem da “corda”, para 2 milhões de fiéis. No dia seguinte, fui ver por onde a “corda” estava, e me dirigí à Basílica. Eu não vestia nem branco e nem azul, estava de calça preta e camisa vermelha.
Ao chegar no final da “corda”, a Berlinda iria adentrar a Basílica, e faltava um componente da equipe de “Marianos” para carregar o andor. Me chamaram, de roupa completamente inadequada para a função – ninguém reclamou- e lá fui eu, chorando sempre, porque a figura de Nossa Senhora reavivou pra mim, direto da infância. Milagre ? A Santa me quís ali ?
Estaria essa Entidade em mim ?
Provavelmente. Eu fora chamado para festa por um motivo- Planeta Água tinha sido tema da Campanha de Fraternidade, é uma música com conexão direta com o Elemento do Brasil, com a espiritualidade da Amazônia, dos aquíferos. E a Virgem é sempre relacionada com a água, no mundo todo.
Como posso ser insensível ?
Mas o que me irrita é o USO DA FÉ pela ignorância, pela GANÂNCIA, pela ENGANAÇÃO.
Como bem replicaram algumas pessoas de fé, face ao meu texto anterior, essa visão da nossa “semelhança” com o Criador é enganosa.
Tudo é semelhante ao Criador. Seja lá Quem for, o Que for,
Se questiono o “algo mais” da forma que nós às vezes enxergamos, não questiono o “algo mais” em momento algum.
Há, sim, MUITO MISTÉRIO EM NÓS e os milagres são o dia-a-dia, basta prestar atenção.
As pessoas agradecem quando fazem cocô ?
Pois deveriam.
Todas as noites, dentro de nossos corpos, uma equipe formidável de manutenção conserta tudo.
A cada dia, renascemos como o Sol.
( 25 Maio 2013 )