O dia em que tomei café da manhã com Kirk Douglas ….

 

Um dia, cheguei num sábado a Londres, e desavisadamente esquecí que era fim de semana, e não tinha como pegar a chave do apartamento do amigo pianista Marcelo Bratke , em Knightsbridge, onde eu passaria vários meses, muito marcantes na minha vida, por sinal… Com as malas na mão, sem hotel pra ficar, me ví “obrigado” a atravessar a rua e me hospedar no antigo ( e legendário) Hyde Park Hotel…( uma nota preta… mas… pra ficar 2 dias… nada que o cartão de crédito não resolvesse …paciência…)
Exigí então um quarto que ficasse na torrezinha…com vista para o verde do parque.
Ao chegar no apartamento, uma cestinha de produtos da exclusivíssima marca “Penhaligon´s” na cama com dossel,( e eu ficaria viciado dali pra frente ) … já me anunciava o final de semana mágico que me surpreenderia….
Ao descer de elevador, pude conhecer este simpaticíssimo senhor …
Um dos maiores atores de todos os tempos no mundo…
Fui logo puxando papo…
Encantado com minha conversa fiada, com o fato de eu ser um compositor de música brasileira, Mr Kirk virou pra mim e disse : OK , let´s take the breakfast together !!!…
Descemos então para uma pérgola envidraçada , com vista para o Carriage Drive ( Hyde Park ) , e, ao som de violinos tocando Vivaldi, pude contar a ele um pouco do que é fazer música no Brasil.
Tomamos champanhe com morangos … que chique.
Um encanto , inesquecível !

Nesta vida tem cada surpresa… tanto da vida real como do Cinema !!!

https://cinema.uol.com.br/…/ator-lendario-e-pai-de-michael-…

O dia em que Glauber cagou para mim…

Um dia, lá no (nem tão ) longínquo ano de 1978, eu estava numa mesa do ( até hoje lendário ) Fiorentina do Leme, já trabalhando o disco A Cara e a Coragem pela Warner de Midani, e ví de relance que numa mesa próxima estava o sempre falante e carismático Glauber Rocha…
Empolgado com o magistral diretor, fui lá cumprimentá-lo como mero fã tietão…Dizendo que eu adorava ele, etc.. que bobo ! Ele perguntou (assim genericamente, falando alto para todos ouvirem, como era bem o seu estilo ) quem eu era, para, assim sem mais nem menos, dirigir a palavra a ele…”Quem é esse bosta que me dirige a palavra ? ”
Orgulhoso com minha canção “Amanhã” , que naquela época fazia a trilha da genial novela “Dancin´Days”, respondí que eu era o compositor Guilherme Arantes…
Pessoas que estavam com ele falaram da novela, etc.. constrangidas com a indelicadeza do “gênio” …, mas não adiantou … Glauber cravou impiedoso : “Caguei pra você, pra mim você não é ninguém…”
Ora, quem havia me perguntado “quem eu era” foi êle, que , nobiliárquico, exigiu “credenciais” para que lhe dirigissem a palavra…
Que lindo !
Um episódio tão marcante…inesquecivelmente característico.
 
Com o tempo, aprendí que esse comportamento sempre foi recorrente entre os endeusados, quando interiorizam, assimilam à sua “persona” o próprio mito…
Sei que é ridículo, mas ví muito disso, não foi uma, nem duas, foram várias vezes que figuras similares agiram assim, em episódios lamentáveis e gratuitos, e nem só comigo, isso acontece toda hora, com todo mundo, uma atitude que hoje eu sei classificar como “auto-flagelo em público”, é uma auto-desconstrução proposital, pra se tornar figurinha polêmica : faz parte daquele show…
Precisavam disso ? Acho que sim, pois são personagens, e acreditam numa dissociação entre o mito e a pessoa. No fundo, a escrotidão acaba funcionando como adjutória à consolidação do mito…
às vezes a obra nem é tão genial assim, tão seminal, tão acachapante… mas a polêmica o mundo adora !
No fundo, isso também ajuda a figura a se auto-destruir no ressentimento.
E há várias modalidades de auto-destruição, com as quais os mitos auto-construídos podem se deleitar e afundar em seus potes até aqui de mágoa !
O mundo, que é perverso, só saboreia.
 
Hoje, quase 40 anos depois, ainda acho ele genial, e aquela atitude ainda acho naturalíssima. Viva o cineasta !
Não era isso que ele queria ?
 
http://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2017/12/1941254-terra-em-transe-faz-50-anos-e-levanta-reflexoes-sobre-a-atualidade-do-roteiro.shtml