O Grande Satã Dualista

O GRANDE SATÃ DUALISTA

Grande é o Satã

Da Dialética, dos debates sem fim…

Se mostra imbatível, sem contendor… aniquilando inimigos de ambas as partes…

Ele Venceu !

O Mundo se reduz a essas 2 dimensões cativas… Num Complô Macabro contra toda visão multifacetada como deveria ser enxergada toda Realidade… Tudo Farsa !

Na Realidade, não existe essa mística pobre de Dualismo, nem mesmo nas Religiões !

Acordem ! Prestem atenção nos tempos de dissuasão que estamos assistindo e tentando pateticamente representar !!!

A qual burrice você pretende se alistar ???

Defeito de nascença

Porque não acredito na politica ?

Por um defeito de fabricação em todos , e eu digo TODOS os personagens da política.

Todo indivíduo que se atribui um papel de SOLUÇÃO PARA OS DEMAIS …

tem um componente patológico :

É UM SOCIOPATA.

A MATERIA ESCURA E O TEDIO

Nunca passei por uma fase tão longa de vácuo produtivo.

Mas hoje eu sei que é dessa “matéria escura”da negação que são constituídos 99% do  Universo… O “tédio”, a “crise”, o estado “letárgico da alma” são, assim, a regra da Existência, e a exceção são os píncaros materializados em “objetos”, em “corpos”, em “obras”.

Viver também inclui profundas cisões com a rotina de toda uma vida prolífica e “extremamente fértil em criatividades”…

… e porque coloco as aspas ?  Justamente porque é o senso crítico que nos faz  enxergar, hoje, do alto de muitas décadas de compulsão criativa, que muitas vezes somos premidos por pressões externas para produzir em quantidade : a indústria da loucura. O Sistema funciona assim. Nos faz acreditar na materialização e desacreditar no “vazio” existencial.

Hoje percebo claramente os períodos e territórios de esforços absolutamente em vão, sem a menor utilidade prática, armadilhas que nos  fizeram seguir em frente, em frente, sempre em frente, sem olhamos muito para trás ou para os lados !

São contratos de trabalho, são “períodos úteis para o Sistema” que nos levaram a remar, remar, e quantas vezes sem critério, só obedecendo a “vozes interiores” de origem suspeita….

Existe outra sobrevivência misteriosa que é colocada sempre de lado, a sobrevivência de nosso “Universo 99% Vazio”…

John Lennon, em sua melhor fase criativa, havia se transformado num Ser Preguiçoso que só dormia…dormia… ( I´m Only Sleeping).

…é que as Revelações dependem de uma forma muito especial de “Tédio”…

… é da profundidade do “Nada” que provém todo Big Bang…

Decadance Sans Elegance

… fico me indagando… quem passou pelos anos 60 que culminaram com 68, Woodstock, Nouvelle Vague……

… e quem passou pelos 70 na explosão da Black Music, do surgimento do Reggae, do Progressivo, da Era Disco…e quem virou para os 80 com o Punk, a New Wave e o auge do Pop,

…e quem ainda conseguiu virar para os 90 da cena Clubber da Eletronica e da Liberdade Urgente da Arte…

… este Século 21 que começou Yuppie,cresceu Ativista Alternativo,e por fim se acomodou em Hypster Gourmet …

é um TÉDIO SÓ.


Tudo encaixadinho nas gavetinhas nas prateleirinhas, como manda o figurino de um Tempo Chocho !

Que pobreza !

A Arte da Representação

Por força das “redes sociais”, estamos numa época de “representação”, uma época artificiosa em que as pessoas não valem pelo que são, mas sim pelo que “representam”.

Olhe em volta, olhe para dentro, constate isso, é fato. Quase tudo é ativismo e militância.

Pior : muitas vezes nossos “papéis” nem são escolhas nossas, em profundidade, e sim “papéis atribuídos” pela sociedade, e não sabemos, simplesmente desempenhamos !
E quase tudo perdeu poder de transformação real porque se tornou raridade toda espontaneidade do mundo.
Representar, dramaturgicamente, é incorporar-se de um personagem, é “assumir um papel”.
Estamos, assim, fazendo parte de uma grande peça de Teatro, para o bem ou para o mal, em farsa, drama, comédia ou tragédia.

E nada é real.

Real é o sopro soturno e fragoroso
da brisa indiferente ao vozerio da humanidade insana.

THC

Hoje eu sou barroco. Alguns contemporâneos meus, bastante criativos por sinal, mas que parecem ter parado no tempo, fazem questão de vir a público fazer apologia de seu “lado libertário” bandeiroso… Na parede, um manifesto… Seja Marginal, seja Herói… cada geração com seus signos inalienáveis… tudo é muito compreensível, tudo significa, mas o fato nú e crú de nossa geração é que… o THC deixou de funcionar quando virou ativismo.

Era interessante e muito inspirador quando era revestido de mistérios, como uma sociedade secreta, uma alquimia iniciática.

Esse caráter sigiloso e particular é que era verdadeiramente transgressor – combinado às propriedades psicoquímicas, era a verdadeira chave de uma Era de Ouro da Percepção !

Qualquer ingrediente, aliás, quando se politiza e emburrece na polarização reducionista, vira manifesto libertário, bandeira marketeira para todos os burros, desprovidos de talento, e na nova Pólis eletrônica os enganadores não têm limites para sua empulhação…

Nossos lados secretos são muito mais revolucionários do que qualquer posicionamento público. O território público se torna meramente político, o que é um reducionismo tóxico e desimportante.

Eis o paradoxo da modernidade : nem um aditivo emblemático como o THC escapa dessa regra.

O THC deixou de funcionar quando virou ativismo.

MATRIX ?

Nunca mais nossas vidas serão como eram antes …
…um dos mais graves processos de transformaçao de toda a História humana …

“Vidas” em “Rede”.
Mentes conectadas e escravas.
…e quando a sordidez humana se apresenta em todo seu monstruoso esplendor ?
… e quando a cópia da cópia da cópia vai gerando o mesmo do mesmo do mesmo…

Éramos inocentes, em outros tempos…nos quais quanto mais informação, melhor…
Não será mais possivel viver aberto às toxinas generalizadas.
As toxinas da informaçao estão diluindo nossas mentes no solvente da entropia.
Degradação da energia.
A cada dia um baque novo, um novo patamar de nivelação, a Humanidade se acostumando com a Matrix.
Face ao caos da informação em que este mundo se transformou, temos agora que escolher uma frequencia para sintonizar e tentar sobreviver naquele “nicho” de proteção .
Estão quase todas as pessoas trancadas em suas redomas de opinião …

Estarei num pesadelo ?

ANTENADO

Quando ser antenado vira defeito ?
Até pouco tempo atrás eu ainda me gabava de ser ligado nos acontecimentos e novidades…
Foi um processo cumulativo e exponencial que me trouxe ao desespero.
Tudo cansa , tudo cansou … foi uma vida inteira cultivando essa crença….De que seria virtuosa a informação e que toda informaçao teria utilidade… uma coisa era a informaçao analógica. Agora instala-se a barbárie. … Agora vivo num paradoxo que é o ruido monumental desse fluxo se tornando tóxico. As pessoas mais previsíveis vão se tornando as mais “articuladas em elementos da moda” , e com isso realimentando sua previsibilidade confortável e retribuidora… Vejo a humanidade chafurdar na lama da informaçao sem criterio nem escrúpulo e as pessoas transformadas em automatos repetidores de jargões e expressões pre-fabricadas…Neologismos são lançados em ondas como palavras-de-ordem …
e nos enxergamos mais inteligentes ao adotar esses arquetipos robot, células espiãs do pensamento…sua única utilidade é padronizar o encadeamento lógico,e todos nós vamos nos encaixando com prazer nas gavetinhas da aceitaçao de perfil … Quando eu tinha o ócio da mocidade preenchido pelas leituras as mais variadas… de Axel Munthe a Agatha Christie, de Proust a Jorge Amado, de Huxley a Castañeda , de Machado a Eça, de Cervantes a Dante , de Kafka a Sartre, de Hemingway a Truman Capote, de Borges a Saramago, de Hermann Hesse a Julio Verne, de Guimaraes a Graciliano, de Kerouac a Mautner… valia tudo… e o silencio da leitura era – ainda é – uma delícia
…mas isso não era absolutamente “antenação”… era outríssima estratosfera construtiva de uma Alma… E no silencio dos livros abertos , dos livros fechados, tudo eram possibilidades e não pre-requisitos para a engabelação coletiva…as possibilidades eram ferramentas diante da folha em branco infinita do pensamento… Antenagem não …é uma gororoba de fragmentos… ganchos mediocres de um alpinismo pré determinado, de construções de plataformas superficiais da vaidade intelectualerda…
Ganchos de marketing raso, Legos da mesmice universal…
Busco desesperadamente o silêncio que não existe mais nas redes ruidosas e cinzentas, assim como o branco absoluto sempre desapareceu com a primeira molécula de pigmento ou sujeira…
somos “antenados” ou somos sintonizados com uma rede invisível de repetições ?
A verdadeira leitura liberta.
A antenagem escraviza na ilusão.

CRUCIFICADO

Aqui onde estamos há um bom  tempo… em nossas andanças, vou constatando o peso e a fundamentação do Cristianismo na Europa, algo meio fluido, meio líquido e amorfo para nós, catequizados pelas Colônias… Daqui destas Metropoles, onde a religião se propulsionou substituindo o Império Romano, aqui de dentro das matrizes dessas Colônias, há um verdadeiro Espetáculo. O enredo é contado com uma pompa e circunstância inigualáveis, e com uma incrível moldura de riqueza e glorificações materialistas, revelando uma natureza contraditória da Fé, oscilando sempre entre a Força do Poder Ilimitado e o despojamento da Pureza Desprovida de qualquer Poder que não fosse sua Imanente Verdade…

Uma sensação recorrente, desde menino, na minha pureza da infância inocente, e que teima em reavivar a todo momento, é a resposta íntima a uma pergunta que se recusa a calar cada vez que me defronto com a cena da crucificação, tão cara à Religião e à iconografia da Fé…

…”O que está ali ? “

O que vemos, realmente, quando estamos diante de tão inúmeras obras de arte magistrais, diante de altares e templos, que retratam repetidamente a mesma cena, um Ser Iluminado “em forma humana”, semi-nú, crucificado, e esta cena conter como memorial descritivo a saga de UMA DAS MAIORES CANALHICES ( e de resto, provavelmente a maior INJUSTIÇA ) de toda a História  da precaríssima Raça Humana sobre este planeteco de pequena significação ( hoje sabemos ) num Universo que a cada dia se revela mais e mais insondável…

…”O que está ali ? “

O Fato é Real ?  Sim,  é Real, até pelos precedentes de outras inúmeras consagradas injustiças e conhecendo um pouquinho a Raça Humana não fica muito difícil de se acreditar que tamanha canalhice tenha mesmo acontecido : é para isso que serve a imponente construção de toda uma Cultura : fazer acreditar e edificar em cima dessa crença. Com isso, a Arte ganhou um impulso extraordinário no Ocidente, e o Apogeu de uma coisa está ligado ao Apogeu de outra. O que fica evidente nesta chamada “Cultura Ocidental” é que todo seu monumental alicerce repousa nesta cena-símbolo, importada do Oriente, e que atinge em cheio a náusea humana com sua própria canalhice. É magistral como Obra, e uma Obra coletiva, de sucessivas gerações, e que explode em esplendor de ornamentação quando, com as navegações e Colônias, o ouro passa a ser derramado neste Continente hegemônico.

…”O que está ali ? “ … naquele Ser abandonado num martírio supremo ?

É o retrato do próprio abandono da precária Natureza Humana, o retrato de toda a maldade da subjugação dos povos, da retaliação à “rebeldia” do Iluminado, não por acaso representante rebelde de uma etnia que não se dobrou outras vezes – e que não se dobraria jamais – uma etnia rebelde que sempre se disse Especial e herdeira direta do Criador do Mundo, em tradições construídas em Escrituras com Profecias…

Aquele homem nú, ali, está entregue à turba ignorante e manipulada pelo fanatismo sectário, que se aproveitava de uma escravidão a um Império sanguinário de dimensões e crueldades sem precedentes (outro símbolo embutido ali, em sua coroa de espinhos e seu corpo todo esfolado, supliciado), um Império pagão que ali naquele arrabalde triste (daquele mundo da época) estava crucificando multidões de corpos apodrecendo a céu aberto… aquele homem nú ali está assassinado por trazer revelações e ser dotado de uma mensagem nova no mundo, avassaladora e revolucionária de fato por vasculhar a alma e o poder da Natureza Milagrosa da fé e propor uma nova modalidade de Aliança…

Aquela é uma cena propositalmente mórbida, torturante, mas também se propõe a trazer o retrato da suprema vitória do Espírito sobre esse abandono e sobre essa morte inútil – enquanto suplício e aniquilamento desse Ser – já que, nos momentos que se seguem a essa Cena, esse Ser se levanta para a Eternidade e humilha a pequeneza de toda canalhice a que foi submetido…

Bem, este é só o princípio deste relato sobre esta pergunta que permanece :

…”O que está ali ? “

Universo de Desperdício

…após um longo período de maturação, volto pra acrescentar aqui um subtítulo…

O nome da Opinião de Humanidade é: Marketing !

…marketing é TUDO que acontece quando alguma obra ou conhecimento se destaca do “limbo do descaso” na História…

podia não se chamar “Marketing” nas diferentes Eras, mas JÁ ERA e SEMPRE FOI.

O Colosso de Rhodes… as Pirâmides… o Farol de Alexandria…

Uma encomenda para que um gênio pintasse a abóbada da Capela Sistina era puro… Marketing.

Uma encomenda para que Bach compussesse os Concertos de Brandenburgo era puro… Marketing.

A Muralha da China… Neil Armstrong na Lua… e coloquem aí o que bem quiser… acho que nem o Sagrado escapa ! ( quando tudo é “construido” para a mitificação, para a opinião…  infelizmente é assim mesmo que caminha a humanidade )

Uma das aquisições mais avassaladoras da idade é a consciência do imenso desperdício que acompanha a vida. Às vezes, nos parece um mundo estúpido que não responde (ou responde mediocremente)  às nossas ações, nossos esforços e obras parecem sempre muito aquém das especificações e exigências : um mundo cobrador e extremamente pão duro em gratificações, quase nada recíproco.

Num País esbanjador como o Brasil, considerado historicamente um celeiro “inesgotável” de possibilidades e recursos, esse fenômeno parece ainda mais perceptível : a palavra do Brasil é “desperdício”: de recursos naturais, de idéias, de projetos, de esperanças, desperdício inacreditável de vidas. Vidas desperdiçadas. Gerações perdidas, décadas perdidas, oportunidades históricas jogadas na lixeira monumental do desperdício brasileiro. Talvez nosso fenômeno seja mesmo amplificado por nossa precariedade e ausência de experiência histórica, um país eternamente imaturo. Mas se olharmos bem, não estamos sozinhos. A Humanidade é precaríssima, e até a religião, que se propõe a dialogar com o “infinito imutável” , é toda ela fundamentada no desperdício e no sacrifício quase sempre em vão : daí a necessidade da “fé” para preencher o vácuo da inutilidade do homem. Da vida ? Mas o Universo também parece quase que “totalmente em vão”, e a palavra “vão” é riquíssima para descrever um vazio que é preenchido por uma incalculável infinitude de possibilidades, tentativas e erros numa escala em que o acerto não é a regra. Mas a quantidade redime a Criação : então é um Universo esbanjador, para compensar o pão-durismo do êxito !

Quando somos criativos e generosos, isso nos faz felizes, em nossa sanha realizadora, vamos tocando em frente sem prestarmos muita atenção no imenso descaso com que o mundo trata a Obra da Criação. Partindo-se do pressuposto do próprio fenômeno da fertilidade, podemos perceber como é que o Universo funciona. Somos um gameta vitorioso entre dezenas de milhões, isto numa única oportunidade de fertilização. Serve para dar uma ideia do quanto somos fruto de uma resiliência da natureza, que, para atingir o índice de “sucesso” a que se propõe, gera sempre milhões de bilhetes-de-loteria. Universo Lotérico.

Comecei cedo com meus sonhos, dei sorte inúmeras vezes, e estava  quase sempre pronto para montar e cavalgar o cavalo-selado dessa “sorte”. Me dizem que sou pródigo em “sucessos”, e até exageram com o mito de Midas de que é “tudo sucesso”… A estas alturas da vida, é natural que eu deite um olhar retrospectivo e me surpreenda com a quantidade de músicas trabalhosíssimas e intrincadas que eu fiz e que ninguém conhece, e muito provavelmente quase ninguém conhecerá. Mas as Sonatas de Scarlatti também são assim: nem eu mesmo, que sou “apaixonado” por elas, as conheço, e sonho um dia ter tempo de abrir aquele livro comprado na loja da Yamaha em Tóquio, e sentar ao Cravo e finalmente estudar, para a minha paixão fazer sentido.   Dá até uma espécie de “tristeza”, uma melancolia, uma sensação de que tanta coisa passou em branco, o mundo não teve capacidade de absorver nem 1% do que foi gerado. Uma sensação de que a vida vai de trambolhão, que não dá tempo de nada mesmo. Mas olhando à volta, vejo que não estou solitário. Drummond, por exemplo, é (mais) conhecido por dois versos :  “…No meio do caminho tinha uma pedra…” e “…E agora, José ? “

É isso que o mundo é capaz de reconhecer ? E é isso mesmo tão importante, o espelho do que o mundo nos diz ?

O que dizer do Beethoven, cuja obra monumental, para a patuléia do mundo em geral, se resume à Pour Elise dos caminhões de gás, ao “Tchan Tchan Tchan Tchan”… da sua Quinta e meros trechinhos épicos da Nona…não mais.  O que dizer de Michelangelo, com o seu David , Leonardo com sua Mona Lisa, Shakespeare com seu bordão “Ser ou não Ser”, Tom com sua Garota de Ipanema, Newton com a Gravidade, Disney com o Mickey , etc. etc. etc. etc.  O mundo vulgar é feito de “greatest hits”, de lírios de Van Gogh, com sua orelha decepada. O Charuto de Churchill. A Boina de Che, o bigodinho de Hitler. A luneta de Galileo. Flor de Lotus de Buda. Madeiro de Jesus. O mundo é um hit-parade ?

E o desperdício seria essa “matéria escura” que forma o Universo.

Por isso, não faz mal se o mundo ignorou solenemente 99,9999% do que a gente fez.

Faz a gente se perguntar : será que a gente também não é seletivo, e só se lembra de 0,0001% do que a vida nos deu ?

No meu caso, apesar da tristeza, eu olho pra trás com o olhar da Gratidão, e juro que vou procurar a paz em mim.

…senão a gente pira !